Airbag: razões para exigir na hora de comprar seu carro

Postado por: Oficina da Multa

Tudo o que você precisa saber para tomar uma decisão prudente e acertada!

Este é um artigo para ser lido antes de você tomar a decisão de comprar um carro usado. Isso porque muitas pessoas não tem noção da importância de ter um airbag no carro, principalmente ao considerar o valor de um veículo usado que não tem o item obrigatório. Nesse contexto, é fundamental que eu esclareça alguns equívocos.

Por essa razão, elaborei um compilado de informações relevantes sobre o uso do airbag. Isso para que você entenda a sua necessidade e não caia na roubada de adquirir um veículo defeituoso.

Mesmo que você não tenha condições de fazer a compra de um carro zero, é importante garantir alguns cuidados com o item usado. Dessa forma, um deles é justamente a verificação dos itens de segurança, como o airbag. Assim, confira o artigo para entender melhor a que eu estou me referindo.

Para começar: o que é um airbag?

Não é um item de segurança apenas para motoristas desequilibrados, isso eu posso dizer com certeza!

Vamos começar a nossa discussão a partir de noções bem básicas. Assim sendo, a primeira delas é precisamente a tradução do termo ‘airbag’. Uma vez que nem todos sabem o que a palavra significa, busquei tornar o artigo o mais informativo possível.

Nesse contexto, te digo que airbag é o termo em inglês para nada mais nada menos que bolsa (bag) de ar (air). Como o termo ficou popular no inglês mesmo, quase ninguém se refere a ele como bolsa de ar ou almofada de ar.

Passando agora para a funcionalidade do objeto, importa dizer que o airbag é um item imprescindível de segurança. Principalmente para quem tem carro. No entanto, há quem ache que o cinto de segurança já é suficiente para garantir a integridade física do motorista.

Cinto de segurança versus airbag: complementares ou não?

Entenda de uma vez por todas se precisa ter os dois ou se um só basta!

O problema de confiar apenas no cinto de segurança é que ele não oferece a proteção do airbag. De maneira similar, confiar apenas no airbag não é tão válido se este for usado sem o cinto.

Calma, já explico melhor. No entanto, deu pra entender que os dois devem ser usados de maneira complementar. Isso significa que funcionam melhor para garantir a sua segurança se forem utilizados juntos.

Dessa forma, se você usar apenas o cinto de segurança, suas chances de se machucar pouco em uma batida muito violenta são mínimas. Nesse contexto, apenas esse item não tem o suficiente para proteger o seu corpo do impacto e das consequências do choque.

No entanto, se o airbag for acionado no momento da batida e você estiver sem o cinto, as consequências podem ser graves. Isso porque como mencionei anteriormente, o airbag é pensado para funcionar junto com o cinto.

Vamos pensar.

O airbag e o cinto na prática

O papel do cinto de segurança é evitar que o seu corpo seja lançado para a frente com violência no momento de uma batida. O airbag, por sua vez, impede que o seu corpo seja projetado com mais violência ainda em direção ao vidro do carro.

Assim sendo, em um contexto de choque muito brusco, os itens funcionam da seguinte maneira: como você já estará parcialmente “preso no lugar” pelo cinto, mas pode ser projetado em direção ao vidro dado o impacto, o airbag  bloqueia o trajeto do corpo que já vem um pouco mais lento por causa do cinto.

Dessa forma, é necessário usar os dois. Só essa motivação já deveria ser suficiente para te convencer a não comprar um carro sem o airbag.

No entanto, sei que muitas pessoas não tem como regra de vida o hábito de ser prudente. Por essa razão, um número considerável de indivíduos continua morrendo por não usar o cinto de segurança. Nesse contexto, o número de imprudentes que não liga para o airbag é bem maior.

Assim sendo, por saber que falar sobre o uso do item em si nem sempre convence muita gente, falo a seguir sobre outra vantagem de ter o airbag. Na realidade, é a mesma coisa dita de maneira diferente. Até aqui falei do item e de sua função. Falarei agora de números.

O airbag salva mesmo vidas?

Apesar de todo o falatório, ainda é uma escolha acertada ter airbags no carro

O falatório ao qual me refiro mais acima diz respeito ao que se conhece como “airbags mortais”. Isso porque de vez em quando aparecem no jornal notícias sobre pessoas que morreram devido à ativação do airbag no momento de um choque. Falaremos sobre esses casos mais abaixo.

No entanto, antes de chegarmos a essa discussão, é interessante compartilhar alguns números.

O estudo da CESVI

Em 2008, o Centro de Estudos Automotivos (CESVI Brasil) realizou um estudo que apresentou resultados muito interessantes. Para começar, segundo os pesquisadores envolvidos, o uso do airbag em conjunto com o cinto de segurança pode evitar a morte de pelo menos 490 pessoas por ano.

Nesse contexto, ainda falta mencionar a prevenção de ferimentos feios que são causados em acidentes de trânsito. Neste caso, os pesquisadores sugerem que o uso combinado dos itens de segurança poderia prevenir o ferimento de aproximadamente 10.000 pessoas.

Quem já passou por um acidente sabe o quão traumática a experiência pode ser. Muitas vezes as sequelas são irremediáveis. Em algumas ocasiões não necessariamente é você que pode se machucar, mas alguém que você ama ou por quem é responsável.

Assim sendo, muito provavelmente, se você pudesse escolher, gostaria de fazer parte dos 490 ou dos 10.000 que escapam de um acidente ileso. No entanto, para isso, é imprescindível usar o cinto e o airbag.

O uso do airbag em conjunto com o cinto de segurança pode evitar a morte de pelo menos 490 pessoas por ano.

Chance de viver

Ademais, outro resultado interessante mostra que em uma situação de acidente, 51% das pessoas que usam cinto é airbag se salvam. Nesse contexto você até poderia dizer que é uma porcentagem de praticamente metade das chances. No entanto, ter 50% de chance de estar vivo é ter muita oportunidade.

Muitas pessoas padecendo de doenças crônicas ou autoimunes muitas vezes tem menos que 1% de viver ao utilizar um medicamento. Nesse contexto, a sua tarefa é muito mais simples. Basta agir com consciência e fazer uma escolha moderada quando adquirir um veículo.

Assim sendo, invista em chances de permanecer vivo é com qualidade de vida. A economia que você pensa estar fazendo ao comprar um carro sem airbag não vale mais do que a sua própria vida. Ou pior: a vida das pessoas que você ama.

E os airbags mortais?

Como prometido, voltaremos a este tema. Sim, não posso negar que em alguns casos o tiro do airbag pode sair pela culatra. É verdade que pessoas morreram ao serem atingidas por seus airbags.

No entanto, é imprescindível comentar que isso acontece precisamente em duas ocasiões.

Em primeiro lugar, há o fator de que nem sempre o airbag é usado como deveria. Um dos usos indevidos é, por exemplo, sem o cinto de segurança. Caso você esteja sem ele, seu corpo vai voar na direção do airbag com uma velocidade que o cinto poderia ter abatido. Nesse contexto, o choque pode ser fatal.

No entanto, nem sempre a culpa é do consumidor. Há situações em que fabricantes equipam os carros com produtos letais. Se você acompanhou as notícias, viu que este é o caso da fabricante japonesa Takata. De acordo com o periódico G1, 22 mortes estão associadas ao uso dos airbags japoneses.

Nesse contexto, é muito importante que você seja um bom pesquisador antes de adquirir veículo. Confira a marca do carro, quem fabricou os airbags e se há polêmicas ligadas ao produto.  Tratando-se de um item caro como o carro, não deveria ser uma surpresa ou algo desagradável passar um tempo pesquisando.

Lembre-se que zero ou não, um veículo é um investimento caro. Nesse contexto, é importante pesar os gastos com cuidado. Assim, é melhor gastar um pouco mais com um carro com os itens de segurança em ordem do que gastar com tratamentos médicos depois.

Ou ainda, por mais mórbido que seja, gastar com funerais e enterros. Dessa forma, pesquise tendo em mente aquilo que é mais valioso para você. No entanto, se eu já tiver te convencido sobre a importância do airbag, escolha ainda um que tenha uma boa reputação.

A desculpa do “eu sou um bom motorista”

O problema não é você, são os outros

É comum que pessoas tomem decisões horríveis com base no que elas conhecem sobre si mesmas. Na verdade, talvez não se conheçam tão bem assim. Pode ser que a percepção que têm sobre suas próprias características esteja um pouco distorcida.

No entanto, às vezes as pessoas estão certas sobre serem boas motoristas.

O problema é que você não dirige em ruas sozinho. Dirigir é uma ação que você desempenha por você e pelos outros. Assim sendo, os outros também dirigem por si e por você também.

Nesse contexto, estaríamos todos bem se todos fôssemos bons motoristas. A vida seria realmente perfeita se ninguém burlasse regras. Contudo, sabemos que não é assim que a vida funciona. Por essa razão, é necessário se prevenir.

Assim, não adianta usar a desculpa de que você é um bom motorista para comprar um carro sem airbag. Você ser um bom motorista só garante alguma segurança se você estiver com o carro na garagem.

No entanto, fora de um lugar em que você tem domínio, você ser bom não significa nada. O airbag não será ativado porque você intencionalmente vai bater o carro. É um item de segurança que funciona em caso de acidentes. Assim sendo, é para situações inesperadas. Momentos que você não pode controlar.

Contudo, há algo que pode te oferecer certo controle. Nesse contexto, é possível regular o impacto que um acidente pode ter. Se você leu o texto com atenção, esse esforço pode dar certo em 51% das ocorrências. Obviamente, se você for um bom motorista mesmo, suas chances provavelmente devem subir um pouco mais.

No fim das contas, como usar um airbag?

Se estiver convencido a adquirir um carro seguro, confira as dicas abaixo!

Até esse momento, espero ter convencido você a ser prudente na sua escolha. Comprar um carro não é a mesma coisa que adquirir um item de pouco valor. Além disso, provavelmente você vai ficar com o veículo por um tempo considerável.

Pensando nisso, é importante não deixar você no escuro com relação aos usos é cuidados que você deve ter com seu carro. Nesse contexto, o airbag será acionado em situações de urgência. Contudo, isso não significa que você não posso tomar alguns cuidados para garantir que ele funcione apropriadamente.

Assim sendo, siga rigorosamente as instruções a seguir quando for escolher seu veículo. São dicas que valem tanto para os carros zero como para os usados.

Como usar o airbag

A resposta para a pergunta do título é bastante simples. O uso do airbag, conforme mencionado, é programado para um momento em que você não poderá fazer muita coisa. Portanto, a sua função é garantir que o produto esteja apto para fazer aquilo que ele foi feito para fazer.

Nesse contexto, usar o airbag bem é cuidar das condições do mesmo para que ele funcione bem. Você não poderá reciclá-lo, então trata-se de zelar por algo que deve funcionar perfeitamente em um único uso.

Não apoie os pés no painel do carro

Dessa forma, em primeiro lugar, oriento que você não desperdice esse uso. Assim, não provoque situações em que o dispositivo seja disparado sem necessidade. São exemplos disso os motoristas que gostam de apoiar os pés no painel do carro.  Há até quem faça isso enquanto dirige, o que é muito perigoso!

Parece improvável, mas existem pessoas que fraturaram as pernas com a ativação imprópria do airbag. Por essa razão, tenha isso em mente ao cuidar do equipamento do seu carro. Garanta que eles funcionem quando têm que funcionar e apenas nessas ocasiões.

Atenção à data de validade

Não compre um carro usado sem saber a data de fabricação do airbag. Se ultrapassar os 10 anos, saiba que é necessário fazer uma troca ou pelo menos uma revisão. No caso de carros novos, é importante ficar atento ao mesmo prazo para efetuar a troca no tempo devido.

Pode até ser que o airbag tenha sido fabricado de modo a durar mais tempo, mas cheque a marca para saber se isso procede. 

Não tente reaproveitar um airbag

Uma vez usado, hora de trocar. Como mencionei mais acima, é um artigo de segurança que é feito para ser eficiente uma vez só. Usá-lo de maneira indevida reduz as chances que você gostaria de aumentar, ou seja, de não se ferir ou falecer em um acidente.

Não facilite consequências negativas em sua vida. Trocar um airbag usado é um investimento para a sua vida e para a vida de quem você ama.

Não mexa com o que está quieto

Por fim, deixo com você uma dica simples. Se você não está vendo a luz do painel que indica problema no airbag acesa, não há o que checar. Não precisa ficar fazendo revisões ou trocas sem necessidade seguindo todos os passos que mencionei até aqui. No final das contas, bom mesmo é não ter que usá-lo.

Conclusão

Diante de todas os argumentos que apresentei, espero que você tenha sido convencido a tomar uma decisão coerente. Assim, seja cuidadoso e prudente com a sua vida e faça um investimento adequado. Mesmo que seja mais caro investir no veículo completo, a sua vida tem mais valor.

Dessa forma, tome os cuidados necessários com o seu airbag e assim viva despreocupado e preservando suas chances. Não posso garantir que você nunca vai sofrer um acidente, mas é possível tentar diminuir a gravidade das consequências. Pense nisso.

Se você precisa de ajuda para recorrer de sua multa, faça uma consulta gratuita do seu caso.

Você pode entrar em contato enviando um email para [email protected]

Se este artigo foi útil, deixe sua avaliação abaixo e compartilhe!

Postado por: Oficina da Multa

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Leia também: